GESTÃO DE CUSTOS: ESTRATÉGIA 4 – PRODUTIVIDADE DE VENDAS

 

Quando sua empresa passa por alguma dificuldade financeira imediatamente você já pensa que é preciso vender mais, certo? A notícia é que as operações necessárias para aumentar as vendas são mais complexas e o resultado nem sempre é imediato, além disso dependem de outras circunstâncias, como o mercado. Então, que tal mudar a estratégia e tentar otimizar os custos do seu negócio e obter resultados imediatos de maneira mais simplificada? Fique atento a série de matérias que preparamos sobre Custos pelas próximas semanas. O tema de hoje é VENDAS.

Para que a gestão das vendas no seu negócio tenha sucesso você só precisa atrair bastante cliente, assim as vendas vão aumentar e pronto, certo? NÃO. As vendas também têm parte importante na lucratividade da empresa e manter o equilíbrio entre os gastos da empresa é essencial para garantir uma margem de lucratividade boa no final.

Unindo a boa gestão dos gastos, precificação adequada e táticas para atrair o cliente o sucesso se torna mais próximo.

Para fixar um preço justo em seu produto que garanta lucratividade você irá precisar mensurar o quanto gasta a sua empresa. Um dos elementos principais para calcular os preços é a matriz de custos do negócio. Basicamente, eles se dividem em duas partes: custos fixos e custos variáveis.

A grosso modo os custos fixos são despesas que se mantem São despesas que se mantém todos os meses independente de quantas vendas você faça naquele mês, como o aluguel do espaço, salário dos funcionários, encargos. Já os custos variáveis são Despesas que variam de acordo com a quantidade de produtos ou serviços vendidos naquele mês. Como por exemplo: matéria primas, comissões de vendas e insumos. Reconhecer esses valores significa precificar considerando todos os gastos que envolvem o processo.

Entretanto, somente reconhecer não é o suficiente, é preciso gerir de forma eficiente para que nenhum gasto saia do controle.

Outro ponto a ser analisado é o mercado. A análise de mercado é de forma sintetizada identificar a demanda e como empresa se posiciona diante dela. Por exemplo, se o negócio oferece produtos que são consumidos de maneira quase obrigatória, uma diminuição nos preços não teria tanto efeito sob as vendas por outro lado, produtos considerados supérfluos ou complementares ficam mais atrativos com a diminuição do preço.

Além disso outras variáveis podem afetar na hora de precificar como por exemplo se a demanda do produto é muito restrita como no caso de um produto de nicho específico, pode não fazer sentido pensar da maneira apresentada acima. É importante considerar qual é o valor percebido em relação ao produto ou serviço. Afinal, o preço do produto não é definido somente pelos custos e margem de lucro, mas, também, pela forma como ele é visto no mercado.

Portanto a partir das análises e o equilíbrio entre a gestão de custos e a precificação levando em conta estes fatores apresentados, será possível calcular e definir um valor adequado para cada produto. Além da chance de controlar despesas e encontrar redução de valores nos gastos para aumentar a margem de lucro.

De fato, o acompanhamento com o uso de métricas para o indicativo financeiro fazem toda a diferença para a sucesso das suas vendas conte com as ferramentas e conhecimento da FCB Consultoria para gerir custos e vender mais.

 

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *